30.05.16

COLUNA RELEITURA - 30/05/2016

Seres humanos?

Daíza Lacerda

A indignação acerca do abuso sexual coletivo de mais de 30 homens contra uma adolescente de 16 anos vai muito além da violência, do desrespeito, do machismo e da cultura do estupro e da impunidade. Obriga a considerar seriamente o tipo de seres humanos que estão entre nós. Se é que podem ser nomeados assim. Como se classifica uma pessoa que é capaz de estuprar uma garota e ainda ostentar a violência? E 30? Qual o limite da baixeza?
O fato de uma situação dessas ocorrer e permanecer impune (pelo menos até o momento) não referencia indivíduos, mas escancara uma sociedade. Não só aquela que não respeita a mulher e a vontade dela. É aquela que não respeita o seu semelhante, o próximo, independentemente da sua condição. O que esperar disso, senão mais barbárie?
Essa não é uma realidade só do Brasil, assim como a negligência e impunidade não são marcas só do nosso país. Mas ainda conseguimos surpreender. Não deveríamos. A atitude tem de prevalecer sobre a surpresa.
A impunidade de estupros chamou atenção do jornalista Jon Krakauer. O aventureiro autor de "No ar rarefeito", que deu origem ao recente filme Everest, mudou de pauta e foi investigar os abusos na universidade de uma cidade norte-americana. Deu origem ao livro "Missoula", recentemente lançado no Brasil. A literatura estrangeira também tem a culpa de Stieg Larsson, já falecido. Na série iniciada com "Os homens que não amavam as mulheres", o autor sueco transforma Lisbeth no exemplo de empoderamento e justiça, dando à personagem o nome da menina de 15 anos que ele viu sofrer um estupro coletivo, sem ter feito nada para impedir.
Se investigada seriamente, a incidência no Brasil também renderia livros e, trazendo à tona uma situação que não é pontual, como fazem parecer os casos mais bárbaros. Enquanto isso, muita gente ainda assiste de braços cruzados. Afinal, há dezenas de famílias ocultando monstros que são autores desses crimes. Não encoberte um monstro. Principalmente: não crie um monstro.
Quem (o quê) são, o que fazem e de onde vêm os estupradores? Talvez sejam as perguntas erradas. A questão é: por que ainda há quem cometa esta e outras barbaridades contra pessoas? Será só a impunidade? Será alguma patologia ainda não estudada a fundo? Ou será a nossa permissividade ao darmos a audiência que eles querem sem revertê-la numa eficiente punição? Afinal, se o machismo em tempos como o nosso está ao lado, firme, que dirá sobre os outros desvios de conduta disseminados como se não houvesse amanhã.
É cômodo viver na ignorância de que esses casos são mais frequentes do que imaginamos. Mas não podem, de forma alguma, serem tratados como comuns. Estamos, sem perceber, de várias formas, perdendo referências morais da nossa própria espécie - que deveriam ser o que nos diferencia. Preconceito contra a mulher. Contra o negro, o homossexual. O pobre. Derrubadas todas as grades da classificação, é o homem x homem. A voracidade do ser humano na destruição da sua própria carne e sangue é de envergonhar o mais primitivo dos animais.

publicado por Daíza Lacerda às 08:30

23.05.16

COLUNA RELEITURA - 23/05/2016

Nada cairá do céu

Daíza Lacerda

Algumas situações recentes me levaram a pensar que, embora possivelmente estejamos na época mais intensa de atividades de todos os tempos, também há uma parcela considerável tomada pela inanição, pontual ou não. Muita gente reclamando demais e agindo pouco para, de fato, mudar o que lhe incomoda.
Exemplos não faltam. Há algumas semanas, alunos da Unicamp foram às ruas protestar contra a falta de segurança no entorno do campus. Mas quantos saem das festas nas repúblicas para registrar um boletim de ocorrência? Cadê os estudantes em peso para cobrar e discutir a situação nas reuniões mensais do Conseg?
Não para por aí. Também tem ocorrido reclamações de moradores do Jardim Ibirapuera, que alegam aumento da circulação de andarilhos após a implantação do Centro Pop no bairro. Mas quantos moradores abordados foram pedir providências justamente no Centro Pop, ou tomar a atitude de ligar para o 153 ou 199 para abordagem social da pessoa em situação de rua?
Sujeira na cidade afora também é queixa recorrente. Muita gente não se dá ao trabalho de registrar pedidos no 156, e "terceirizam" o serviço para o jornal. No entanto, há pessoas que colecionam protocolos sem serem atendidas pelo poder público, o que realmente justifica a divulgação do problema. Muitas vezes, moradores gastam mais tempo reclamando com vizinhos do que de fato fiscalizando e agindo em sua comunidade. A ineficiência está em não dar conta de limpar ou do povo não aprender a não sujar? Deixar a responsabilidade para os outros é fácil. E a nossa parte?
O trânsito também é campeão da má vontade. Só que nós também somos o trânsito. A partir do momento em que se opta pelo veículo particular, vamos inevitavelmente dividir (disputar?) espaço. Vai resolver mais reclamar ou se programar para sair em horários alternativos?
Ignoramos o quanto a passividade pode nos custar. Recentemente entrei numa discussão sobre a velhice, e a "obrigatoriedade" de filhos terem de cuidar dos seus idosos. Pensando daqui adiante, num contexto de longevidade muito maior do que a de nossos antepassados, como estamos nos preparando para os nossos anos finais? É justo contar que alguém cuide de nós quando temos plenas condições, agora, de nos preparar para viver mais e melhor? Não é responsabilidade nossa providenciar plano de saúde, exames periódicos preventivos, poupança e hábitos saudáveis para ter o mínimo de dependência possível quando isso for inevitável? E o que garante que haverá alguém por nós lá na frente? Como vamos saber por quais caminhos nossos entes serão levados, se eles terão disponibilidade ou interesse de olhar por nós? Amor da família é importante, mas o amor próprio também. Sempre é hora de se cuidar.
Se tanta gente não se mexe para garantir o mínimo, o que será do todo? Infelizmente não reina entre nós a cultura do planejamento, que é o essencial para qualquer objetivo. E por que terceirizar o que é do nosso interesse, em qualquer âmbito?
Há uma máxima que diz que não dá pra esperar resultados diferentes quando se faz as mesmas coisas. É fato. Sem ação ou reação, nada cai do céu. Nem mesmo a chuva, que depende de fenômenos e determinadas condições para se materializar.

 

Publicado na Gazeta de Limeira.

publicado por Daíza Lacerda às 08:30

18.05.16

COLUNA RELEITURA - 17/05/2016

 

Um Underwood para chamar de nosso

 

Daíza Lacerda

 

Terminando de assistir a quarta temporada de House of Cards, foi inevitável me perguntar o quanto a arte imita a vida. Na famosa série do serviço Netflix, o protagonista é o brilhante Kevin Spacey na pele de Frank Underwood, o congressista inescrupuloso que chega à presidência dos Estados Unidos. Levando-se em consideração que, após inúmeras manobras, o personagem ficcional (?) alcança o poder e tenta manter-se nele de forma ilegítima, temos agora, em Michel Temer, um Underwood para chamar de nosso. Sem saber o quanto a busca cega pelo poder ainda vai nos custar.
Eu costumava me descrever como alguém que "não é de direita e nem de esquerda, mas da contramão do lugar-comum". Sem ter nenhum partido ou ideologia política que me seduzisse, assim permaneço. E a situação do impeachment nos moldes que é executado, uma medida extrema em tempos de falsa democracia, nada mais é do que uma vertente diferenciada da costumeira falta de honra que prevalece com tudo o que é público.
Não sou a favor da política de Dilma e reconheço que o seu governo acabou faz tempo, quando ela passou a se preocupar mais em defender o cargo do que gerir o País. Também não me inspira sequer um fio de otimismo alguém que chega ao poder como Temer chegou. Embora eleito indiretamente, mas eleito, mesmo para os patamares políticos a sua traição à presidente foi vergonhosa. Mais um exemplo do qual esta Nação não precisa. Tarde, talvez comecemos a ter mais atenção aos candidatos a este cargo, situação que os espectadores da série certamente já analisam com mais interesse.
O problema que nos mantém patinando na lama não é o afastamento de Dilma, mas a permanência dos tantos que têm tanto a explicar, a exemplo da boa parte do time ministerial de Temer, além do próprio. Prova que a "justiça" é feita quando interessa, e não sempre que é necessária. Não dá pra ser otimista.
Uma análise pertinente é a do jornalista Denis Russo Burgierman, da revista Superinteressante (http://abr.ai/23NRVMN). Ele lembra que, em meio às asneiras, o principal não foi discutido na votação dos deputados: os indícios sérios dos crimes de Dilma. E que o País está cheio de ciclistas fiscais como ela, inclusive Temer que, "nos curtos períodos em que substituiu a presidente em sua ausência, pedalou três vezes mais que ela", e o próprio relator do processo de impeachment no Senado, Antonio Anastasia, enquanto governador. Outro adepto citado pelo jornalista é o governador paulista Geraldo Alckmin, cujas pedaladas ultrapassariam R$ 300 milhões, "bem menos que os bilhões de Dilma, mas crime igual". E atenta: "Se o Congresso quer seriamente punir Dilma, é importante que se afirme com clareza a disposição de punir de maneira equivalente todos os ciclistas fiscais, independente de partido ou de taxa de popularidade".
Finalizo lamentando e concordando com o roteiro da vida real: "Um processo ilegítimo para punir um mandatário pelos seus processos ilegítimos não é um passo na direção de um país melhor. Não contribui em nada para deixar nossas instituições mais sólidas, justas e democráticas".

sinto-me:
publicado por Daíza Lacerda às 02:21

mais sobre mim
Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
31


pesquisar
 
RSS
blogs SAPO